Candidíase na Gravidez

Candidíase na gravidez: causas, sintomas e tratamentos

candidíase na gravidez

A candidíase na gravidez ainda é muito comum. Segundo um estudo , cerca de 20% das mulheres têm candidíase vaginal. Esse número sobe para 30% durante a gravidez. É mais provável que a candidíase na gravidez seja devido as flutuações hormonais que ocorrem antes e depois dos parto.

O que causa candidíase na gravidez?

A infecção é causada pelo fungo Candida Albicans, e ocorre quando o número normal de fungos que residem na vagina aumenta demais, o suficiente para causar os sintomas. Mas, durante a gravidez, a alteração dos níveis de hormônios altera o equilíbrio do pH da vagina. Isso cria um ambiente mais favorável para o fungo crescer.

É perigoso ter candidíase na gravidez?

Nas mulheres que não estão grávidas e que têm um sistema imunológico normal, a candidíase raramente causa complicações graves.

Mesmo na gravidez, a candidíase geralmente não causa nenhum perigo para a mãe. No entanto, você pode passar a infecção para o bebê durante o parto.

A maioria dos bebês desenvolvem uma infecção causada por candidíase apenas na boca ou na área das fraldas. No entanto, apesar de rara, a infecção nos bebês pode se tornar muito grave, porque seu sistema imunológico ainda não está bem desenvolvido. Assim pode se espalhar pelo corpo da criança e afetar a respiração e o ritmo cardíaco, por exemplo. Isso acontece com mais frequência em bebês que têm outros problemas afetando seu sistema imunológico, como prematuridade ou outra infecção subjacente.

A candidíase também podem causar infecções em todo o corpo e complicações graves nas mulheres que têm um sistema imunológico enfraquecido por causa de doenças imunológicas como o HIV, por exemplo.

Sintomas

Os sintomas da candidíase são principalmente: coceira na vagina e na vulva. Mas, você também pode notar um corrimento vaginal branco, que pode ser semelhante ao queijo cottage ou requeijão e não tem odor.

Outros sintomas da candidíase são:

  • Dor na vagina ou vulva
  • Queimação quando você urina
  • Erupção cutânea na vulva e na pele ao redor, que às vezes também aparece na virilha e nas coxas

Esses sintomas podem durar algumas horas, dias ou semanas.

Nos recém-nascidos e nas mulheres com sistema imunológico enfraquecido, a candidíase pode aparecer na boca, que é conhecida popularmente como sapinho.

Mas, outras condições podem causar sintomas semelhantes a candidíase:

  • Reação alérgica a um produto que você usou na área vaginal, como sabão ou preservativo
  • Doenças sexualmente transmissíveis (DST) , como clamídia e gonorréia
  • Vaginose bacteriana , que também é um tipo de infecção.

Tratamento

Na maioria das vezes, a candidíase vulvovaginal é fácil de tratar com um creme antifúngico ou óvulo vaginal . O medicamento deve aliviar seus sintomas dentro de sete dias. No entanto, durante a gravidez, você deve consultar seu médico antes de iniciar o tratamento. Eles podem confirmar se você realmente tem candidíase e garantir um tratamento seguro durante a gravidez.

Os medicamentos antifúngicos orais e tópicos são usados ​​para tratar candidíase em mulheres que não estão grávidas. No entanto, medicamentos orais podem não ser seguros para ser usado durante a gravidez. Um estudo de 2016 em encontrou uma associação entre maior risco de aborto e uso oral de fluconazol durante a gravidez. Os antifúngicos orais também têm sido associados a defeitos congênitos .

Qual pomada usar para candidíase na gravidez?

Os medicamentos antifúngicos tópicos que são seguros para uso durante a gravidez são:

  • Clotrimazol creme 1% , aplicar 5 gramas (g), uma vez ao dia por 7 a 14 dias
  • Miconazol creme 2% , aplicar 5 g, uma vez por dia, durante 7 dias
  • Terconazol creme 0,4%, aplicar 5 g, uma vez por dia, durante 7 dias

Candidíase na gravidez vai e volta

Durante a gravidez, é mais provável que você tenha infecções repetidas. Quatro ou mais infecções fúngicas em um ano são denominadas candidíase vulvovaginal recorrente.

Se você continuar a ter as infecções, converse com seu médico. Pode ser necessário avaliar os fatores de risco, como diabetes ou algum distúrbio imunológico. Se a gravidez é a causa, as infecções devem parar após o parto.

A pesquisa descobriu que tomar um medicamento “azol” por seis meses reduz a chance de uma infecção repetida. No entanto, os medicamentos antifúngicos orais podem não ser seguros durante a gravidez. Você pode ter que esperar até depois do parto para continuar esse tratamento.

Conclusão:

A candidíase na gravidez é muito comum, afetando a cerca de 30% das mulheres grávidas. A causa é a alteração hormonal que ocorre na gravidez. 

Os sintomas da candidíase na gravidez não são diferente de uma mulher não grávida, no entanto pode causar desconforto durante a gestação. Ter candidíase na gravidez não é perigoso a ponto de por em risco a vida da mãe ou do bebe, mas de toda forma, deve ser devidamente tratada para evitar complicações.

A candidíase por ir e voltar durante a gravidez e pode ser tratada com cremes e pomadas que não oferecem risco a mãe nem ao bebe. Na maioria dos casos os sintomas desaparecem depois do parto.

Esse artigo é meramente informativo e não tem intenção de substituir a consulta médica. Não use ou tome medicamentos sem prescrição médica, pois pode ser perigoso à sua saúde.

 

LEIA TAMBÉM: